quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Dia 3 - imagina que tens 1 dia de vida, despede-te da pessoa que gostas

É difícil escolher a pessoa que gosto, há tantas que me enchem o coração de amor e alegria.
Mas pronto, escolhi-te a ti. Apenas por teres sido quem, em toda a minha existência, eu considerei meu amigo mais do que qualquer outra coisa e mais do que a tua função enquanto membro da família.
É difícil dizer quais os momentos mais felizes que passámos juntos, é difícil não apontar mais defeitos que qualidades e é difícil dizer que até podes gostar mais de mim do que alguma vez demonstraste.
Nunca tive razões de queixa de me dares atenção e carinho a mais, muito pelo contrário. Nunca tivémos uma conversa normal, de homem para menina, de pai para filha, como toda a gente deve ter. Vamos tendo pequenos diálogos que, acredites ou não, fazem-me feliz, só por partilhares comigo um episódio que te aconteceu, algo que te fez rir, ou algo que te deixa revoltado. É simplesmente especial, a nossa relação, como eu sempre disse.
Sempre te vi mais como um 'amigo', mas na verdade és muito mais que isso. És do meu sangue, da minha carne. Todos dizem que sou mais parecida contigo fisicamente, eu acho que não, mas se assim é sinto-me orgulhosa por o ser, és bonito.
Não gosto de não dizer que alguém da minha família (mãe e pai) é o/a melhor do mundo. Afinal todos, ou quase todos afirmam com bastante segurança que o seu pai ou a sua mãe são os melhores de todos. Eu não vejo assim, não sinto. Apenas sinto que não me deste tudo o que tinhas a dar, nem eu a ti.
Mas não é tarde para dizer o que sinto por ti, pois sei que nunca irás esquecer o que fui e que apesar de tudo te dei muitas alegrias e nenhuma tristeza ou desilusão.
Obrigada por tudo, adoro-te pai.

(este dia 3 não devia existir, que maldade!)

Enviar um comentário